Sustentabilidade em Ação

Arquivo mensal: fevereiro 2012

As cidades inteligentes (tradução livre) são aquelas que conseguem um desempenho ótimo em seis diferentes dimensões: Economia limpa, mobilidade urbana, ambiente preservado e conservado, capital humano, qualidade de vida e governança eficiente. A definição de uma smart city pode ser dada, portanto, para as cidades onde o investimento em capital humano e social, somados à infraestrutura em comunicação e transportes eficiente, alimentam o desenvolvimento sustentável de sua economia, gerando mais qualidade de… Ler mais

Um livro interessantíssimo que nos permite verificar como a gestão ambiental pública e privada na Europa vem sendo implementada é o Ecological Economics and Industrial Ecology: A Case Study for IPP, disponível na versão eletrônica na http://www.amazon.com. Em um breve resumo, detalharei os instrumentos disponíveis para uma política ambiental integrada, e que, logicamente, representam oportunidades para uma economia verde e sustentável. Instrumentos econômicos 1. Padrões mínimos de qualidade sob o ponto de… Ler mais

O relatório sobre Economia Verde do PNUMA nos mostra diversas oportunidades econômicas ligadas à promoção da sustentabilidade. O assunto estará em voga na Rio+20, em junho, e buscará junto às diversas partes interessadas, governo, empresas e sociedade em geral, organizada e desorganizada, fomentar a economia verde. Na verdade, o que percebemos é que o BNDES e a Nossa Caixa Fomento, para ficar em apenas duas instituições financeiras, já tem recursos disponíveis para… Ler mais

Não tenho dúvida que toda empresa busca isso: Um consumidor que fica viciado (ou fidelizado) em consumir seus produtos pelo resto da vida. E são várias as estratégias: As imagens, o design, os atributos não materiais, o preço, as técnicas de marketing… Tudo isso para que o consumidor tenha uma relação de dependência da empresa. Costumo discutir com minha irmã que passamos do controle da igreja para o controle do estado e… Ler mais

Tornou-se comum para as empresas desenvolverem planos de comunicação complexos apenas para divulgar intenções ou políticas. O Greenwashing tornou-se uma verdadeira febre, em parte porque as empresas (ingenuamente ou deliberadamente) não conseguiam desenvolver um conceito de sustentabilidade, com uma métrica reconhecida, que permitisse às demais partes interessadas na atividade da empresa reconhecê-la como sustentável. Algumas destas métricas são bem conhecidas: possuir uma política ambiental e social, possuir ações com base nesta política,… Ler mais