Mais uma de Ecologia Industrial

Um trabalho bastante interessante em Ecologia Industrial saiu num dos fascículos do Journal of Industrial Ecology. Analisou uma situação de desenvolvimento regional sob o ponto de vista dos conceitos de ecologia a evolução de um ecossistema complexo. Começa pela pressão adaptativa do deplecionamento de recursos hídricos sobre uma série de componentes de um sistema produtivo com poucas conexões entre si e a necessidade comum de complexificar suas relações para permitir que sua atividade não ficasse comprometida.

A solução obtida foi a de promover o reaproveitamento total (ou quase total) de todos os resíduos gerados pelas indústrias locais como insumos para novos processos econômicos. O resultado foi a diminuição do consumo de insumos e o aumento da eficiência produtiva, com o fortalecimento dos laços entre os componentes do ecossistema industrial formado. Interessante observar a interdependência entre os componentes e a pressão adaptativa.

Creio que esta experiência pode resultar em modelo para Arranjos Produtivos Locais. Explico: Os arranjos produtivos locais surgem da percepção de que as necessidades econômicas locais precisam ser resolvidas e que ao juntar vários atores sociais as soluções tornam-se mais adequadas à realidade, incluindo a interdependência entre os atores deste “ecossistema” local.

Para um biólogo, como é meu caso, me parece uma “sacada” fenomenal, pois a evolução das sociedades parece poder ser explicada a partir do fortalecimento dos laços internos destas sociedades, gerando interconexões entre as “espécies” que constam deste ecossistema, muitas delas sujeitas ao mesmo tipo de pressão e com a mesma necessidade de sobrevivência.

Claro, isso vai contra o suposto “individualismo” e “hedonismo” que são ideias fortalecidas por todo o sistema produção-consumo, mas não deixa de ser uma visão alternativa interessante que aponta para um caminho a seguir.

Sobre Marcio Gama

O cérebro é nossa maior especialização e nos faz humanos e complexos, capazes de pensar, gerir riscos e planejar o futuro. Nos adaptamos a todos os ambientes conhecidos e aprendemos a utilizar os recursos para nossa sobrevivência. Nesta caminhada, aprendemos a nos adaptar. Tentamos resolver os problemas que criamos e esta é a parte da nossa caminhada neste planeta, o único que temos. Sou Biólogo, Mestre em Planejamento e Gestão Ambiental e Especialista em Gerenciamento de Projetos e as análises que faço aqui refletem a minha visão sobre o tema, balizada em artigos científicos e informações de fonte fidedigna e relevantes. Espero que curtam os textos.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.