Análise do documento “Climate change: implications for investors and financial institutions”

Um relatório interessante publicado pela UNEP, juntamente com a Universidade de Cambridge e o IIGCC (Institutional Investors Group on Climate Change) analisa as interações entre o Sistema Financeiro e os investimentos necessários para reduzir os impactos das mudanças climáticas.
Neste documento foram evidenciados cinco pontos-chave, relacionados abaixo:
1. As mudanças climáticas afetarão todos os setores da economia e são relevantes para investidores e instituições financeiras
2. Há riscos e oportunidades associados com as ações tomadas para reduzir as emissões globais, incluindo, segundo o documento, a redução significativa dos investimentos em extração de combustíveis fósseis e geração de energia com base nestes compostos, com aumento significativo de investimentos em produção de energia de baixo carbono e eficiência energética.
3. Os impactos físicos das mudanças climáticas afetarão a agricultura, a produção e de alimentos, infra-estrutura, padrões de precipitação e suprimento de água, sendo que as implicações ainda não estão completamente mapeadas.
4. As decisões adotadas por investidores privados e instituições financeiras terão maiores influências em como a sociedade responde às mudanças climáticas.
5. Haverá demanda significativa por capital, com necessidade de aporte do setor privado para supri-la. Estima-se que somente no setor de produção de energia seriam necessários entre USD 190 e USD 900 bilhões por ano até 2050, com a saída progressiva das energias fósseis para as de baixo carbono, especialmente a nuclear e demais renováveis.
Ainda que não sejam novidades, há novamente o reforço por parte de organismos globais e do grupo IIGCC sobre a necessidade de financiar e investir em energias com menor emissão e na eficiência energética. Lembramos que os “greenbanks” e os títulos de crédito verdes, muitas vezes citados no blog, visam justamente incrementar a quantidade de recursos disponível para investimento em eficiência energética e fontes renováveis de energia.
Os impactos físicos das mudanças climáticas estão sendo sentidos com maior frequência e intensidade, com maiores perdas econômicas também, e os riscos de diminuição brusca de atividade econômica não podem ser negligenciados.

Sobre Marcio Gama

O cérebro é nossa maior especialização e nos faz humanos e complexos, capazes de pensar, gerir riscos e planejar o futuro. Nos adaptamos a todos os ambientes conhecidos e aprendemos a utilizar os recursos para nossa sobrevivência. Nesta caminhada, aprendemos a nos adaptar. Tentamos resolver os problemas que criamos e esta é a parte da nossa caminhada neste planeta, o único que temos. Sou Biólogo, Mestre em Planejamento e Gestão Ambiental e Especialista em Gerenciamento de Projetos e as análises que faço aqui refletem a minha visão sobre o tema, balizada em artigos científicos e informações de fonte fidedigna e relevantes. Espero que curtam os textos.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.