Novo relatório do Banco Mundial – Hora da adaptação

A mudança de foco em relação às estratégias para combater os efeitos das mudanças climáticas é mais do que evidente pelo novo relatório do Banco Mundial. Se antes priorizava-se as estratégias de mitigação de emissões, a realidade do aumento contínuo de emissões se impõe. Países com grandes populações estão melhorando seu nível de renda e consequentemente alterando significativamente seu padrão de consumo. Mais automóveis, mais urbanização, mais consumo de energia, mais consumo de proteína animal e mais consumo de combustíveis fósseis, com os impactos associados às cadeias produtivas que sustentam os seus processos produtivos.

No relatório “Turn Down the Heat” o sinal está dado: Investir em estratégias de adaptação passa a ser urgente, considerando que os dados mundiais sobre consumo tem demonstrado uma tendência crescente de aumento das emissões e que não será possível frear o mecanismo que alimenta as emissões de gases de efeito estufa ou aumentar a e6ficiência produtiva de forma a limitar a 2º C o aquecimento global.

O recado dado pelo relatório é que estamos entrando em um tempo de um novo “equilíbrio normal”. Vem da ciência ecológica que os ecossistemas, quando sujeitos a um distúrbio suficientemente forte, caminham para um novo ponto de equilíbrio, em função do qual as relações entre os componentes do ecossistema são reorganizadas e que, dependendo da estrutura e da força das ligações entre os componentes, podem alterar profundamente a sua existência.

O quadro abaixo mostra de forma simplificada os principais riscos aos quais estaremos expostos e os principais efeitos sobre insumos fundamentais para nossa existência e sobre a qualidade de vida.

Mais uma vez a imprevisibilidade sobre os impactos advindos do novo normal serão responsáveis por episódios críticos aos quais teremos pouco tempo de adaptação. Os possíveis efeitos e riscos já foram apontados em diversos relatórios, muitos deles analisados no blog.

O aparecimento de novas doenças, a perda de safras, os episódios de secas, a desertificação, a alteração da distribuição de espécies em florestas, todos estes efeitos terão consequência direta sobre a nossa sobrevivência. Neste ponto, torna-se interessante analisar quais são as iniciativas dos governos para planejar as intervenções para reduzir os riscos e com quais cenários se trabalham os governos para reduzir os graves impactos sobre as populações (só vender ar condicionado subsidiado não é suficiente).

No Brasil, vemos de forma preocupante que nosso governo pretende expandir a exploração de combustíveis fósseis e aumentar a participação deste tipo de combustível no nosso grid. Seria interessante que o relatório fosse destrinchado pelo nosso Ministério de Minas e Energia, pelo Ministério do Meio Ambiente, pelo Ministério do Planejamento e, talvez, por todos os outros 36.

Estamos pagando toda esta estrutura justamente para que os riscos sejam mapeados e para que as prioridades em gestão sejam escolhidas. Não me parece que o caminho seguido leve em consideração tais riscos. Os problemas que enfrentaremos em curto e médio prazo em virtude das mudanças não-lineares e do novo ponto de equilíbrio terão efeitos profundos sobre a produtividade, a agricultura, a produção de energia, a  qualidade de vida e a saúde pública.

Espero que o governo esteja de olho nisso, apesar de todos os sinais de que não estão dando a mínima para o assunto.

Sobre Marcio Gama

O cérebro é nossa maior especialização e nos faz humanos e complexos, capazes de pensar, gerir riscos e planejar o futuro. Nos adaptamos a todos os ambientes conhecidos e aprendemos a utilizar os recursos para nossa sobrevivência. Nesta caminhada, aprendemos a nos adaptar. Tentamos resolver os problemas que criamos e esta é a parte da nossa caminhada neste planeta, o único que temos. Sou Biólogo, Mestre em Planejamento e Gestão Ambiental e Especialista em Gerenciamento de Projetos e as análises que faço aqui refletem a minha visão sobre o tema, balizada em artigos científicos e informações de fonte fidedigna e relevantes. Espero que curtam os textos.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Novo relatório do Banco Mundial – Hora da adaptação

  1. Pingback: Banco Mundial irá focar seus financiamentos em Energias Renováveis | Sustentabilidade em ação

  2. Pingback: Fundo Soberano da Noruega retira investimentos de empreendimentos com altas emissões de carbono | Sustentabilidade em ação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.