GreenBiz.com – Relatório “State of Green Business 2015”

Pode parecer surpresa a meta para redução de emissões de gases de efeito estufa nos EUA, pois nos acostumamos (alguns, ao menos) a apontar o dedo para culpar o país por uma série de problemas ambientais globais.  Sem dúvida os EUA são os maiores emissores históricos de Gases de Efeito Estufa e enfrentam crises sem precedentes com relação aos recursos hídricos em alguns estados, porém não se pode negar o potencial de inovação que o país carrega e como as inovações podem levar o país novamente à liderança global em soluções.

Em fevereiro foi lançado o relatório “State of Green Business 2015” (acho obrigatório para quem estuda Gestão Ambiental e Planejamento). Neste relatório os editores apontam as tendências para 2015 em meio ambiente e sua relação com as empresas, bem como indicadores claros de gestão ambiental e a evolução do tema no país.

As 10 tendências mais importantes apontadas pelo trabalho para 2015 são as seguintes:

1. Stranded Assets (ou estoques encalhados, em tradução livre)

O tema tem ganhado relevância e já havia escrito sobre ele antes. O risco de taxação do carbono e a intensificação dos efeitos das mudanças climáticas podem tornar a extração de combustíveis fósseis inviável. De acordo com cálculos realizados por gestores de fundos ambientais, de 60 a 80% das reservas de carvão, óleo e gás seriam não utilizáveis, ao se considerar o limite de aumento de no máximo 2ºC na temperatura global.

Isso significa que as grandes empresas globais relacionadas à produção de combustíveis fósseis tem que se reposicionar ou correr o risco de perder valor para seus acionistas. Adicione-se ao risco a crescente percepção de fundos de investimento sobre o tema mudanças climáticas, que resulta em pressão por desinvestir em empresas com alta geração de GEE, a maior regulação aplicada ao tema e atribuição de valor econômico negativo ao carbono emitido.

2. Soluções em sustentabilidade tornam-se abertas e distribuídas

Cada vez mais as soluções são abertas, com colaboração de diferentes pessoas, com diferentes backgrounds, visando gerar mais inovação. A época das inovações sendo geradas em sistemas fechados está caindo.

3. Cadeias de fornecimento

Torna-se cada vez mais importante traçar e identificar a história, distribuição, localização e aplicação de produtos, parte e materiais para assegurar a credibilidade dos fornecedores com relação a temas cruciais como diretos humanos, saúde e segurança no trabalho, meio ambiente e corrupção.

4. Risco hídrico

A escassez da água não é um problema apenas de São Paulo, Rio de janeiro e Nordeste. O cálculo do risco hídrico começa a entrar no processo de decisão das empresas e no planejamento estratégico.

5. Energias renováveis

Grandes empresas entram no mercado de renováveis agindo para aumentar a competitividade das energias renováveis com as fontes não-renováveis. No texto, explicita-se o papel da IKEA, uma das maiores empresas globais de móveis e utensílios domésticos, em produzir sua própria energia.

6. Metas baseadas em dados científicos

As certificações em sustentabilidade ficarão cada vez mais restritas, com maiores questionamentos em relação aos indicadores utilizados e cada vez mais serão explicitados os furos nas abordagens corporativas, muitas vezes baseadas em greenwashing.

7. Gestão da perda de alimentos

A perspectiva de alimentar 9 bilhões de pessoas em 2050 coloca a necessidade de aumentar a eficiência da produção de alimentos em relação à redução de perdas. De acordo com a FAO, cerca de 1/3 (UM TERÇO!!!) dos alimentos produzidos anualmente são perdidos.

8. Gestão de investimentos

Há um nítido fluxo de investimentos para projetos sustentáveis. O reconhecimento das questões ambientais como riscos para a atividade das empresas faz com que os investidores comecem a analisar os projetos com relação aos seus efeitos ambientais e direcionar recursos para empresas com modelos de negócios que reconheçam e mitiguem possíveis impactos adversos. Em 2014 foram US$ 500 bilhões em investimento em tecnologias limpas.

Três tipos de empresas ganham com isso: As que usam recursos com mais eficiência, as que produzem serviços para clientes tornarem-se mais eficientes e aqueles que investem na inovação.

9. Cidades e negócios

As cidades resilientes entram no radar. A capacidade das cidades em absorver choques ambientais e manter  e melhorar seus sistemas de informação e energia, a qualidade de vida da população e suas economias.

10. Investimento em conservação

Estima-se que as necessidades globais de investimento em conservação ambiental chegam a US$ 300 bilhões, porém os governos, agências multilaterais e filantropia conseguem levantar US$ 50 bilhões em recursos.

Para enfrentar os desafios de pagamentos por bens e serviços ambientais, consolidação de unidades de conservação, recuperação de áreas degradadas, resiliência climática e eficiência energética são necessários novos instrumentos de captação. Mais uma vez são necessários projetos viáveis, com risco-retorno adequados.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: