Infelizmente o Brasil tem uma tradição anual: As chuvas no Estado do RJ matarem centenas de pessoas assentadas em locais de risco. Há décadas os países desenvolvidos tem sistemas de gestão de riscos associados aos fenônemos climáticos e a cada evento extremo são adicionadas novas ações de contingência para reduzir o estrago sobre a população e a infraestrutura.

Por que eles conseguem fazer e o Brasil não? Primeiro, na minha opinião, é que os gestores públicos dos países desenvolvidos são muito melhores que os nossos. Os nossos só pensam em pedir dinheiro de forma emergencial para o governo federal, que também é pífio no enfrentamento de crises desta natureza. Além disso, estes recursos podem ser gastos sem licitação, posto que emergenciais, o que resulta em beneficiamento privado.

Segundo ponto: Nos países desenvolvidos, o gestor público que falha em planejar a ocupação territorial e desta falha resulta-se em morte de cidadãos, o gestor é preso e processado. No Brasil não. ele é reeleito ou vira mito.

Está na hora, aliás, já passou da hora, dos brasileiros deixarem de ser infantis com relação aos seus políticos. Escolham pela capacidade e pelas ações efetivas feitas em prol da sociedade, não somente pela propaganda feita durante dois ou três meses de quatro em quatro anos. A escolha errada causa mortes, muitas mortes, como podemos ver no Rio de Janeiro.

E DESENVOLVIMENTO não é somente geladeira com IPI baixo. É gestão de riscos, é ética, é honestidade. Portanto, precisamos melhorar nossos parâmetros de escolha e sair da infância política na qual o nosso país se encontra.