Análise de Fluxos de Massa na Agricultura

Um ponto interessante a analisar-se sob o ponto de vista da Análise de Fluxos de Massa são os impactos da mineração na agricultura. Como bem se sabe, o chamado ecossistema agroindustrial depende de uma alta entrada de insumos não renováveis para aumentar a produtividade primária dos ecossistemas naturais.

Um exemplo disso são os fertilizantes minerais utilizados para a produção de grãos no cerrado. Sob uma perspectiva de MFA, a contabilização dos fluxos dos minerais necessários para a produção, calcário para correção do solo, Nitrogênio, Potássio e Fósforo, bem como da energia necessária para produzir os desejáveis produtos que consumimos ou importamos, representam uma sinalização importante da visão integrada dos impactos ambientais que produzimos ou “fazemos produzir” em outros locais do planeta.

Sem contar que a Análise de Fluxo de Substâncias (Substance Flow Analysis) poderia nos ser muito útil para verificar o fluxo dos agroquímicos na natureza, incluindo aí a contaminação de rios, da atmosfera e os prováveis impactos sobre a saúde pública da população que consome estes recursos hídricos. Tais sinais, a combinação das informações da MFA e da SFA, seriam importantíssimas como indicadores de políticas e práticas relacionadas às nossas políticas ambientais.

Sobre Marcio Gama

O cérebro é nossa maior especialização e nos faz humanos e complexos, capazes de pensar, gerir riscos e planejar o futuro. Nos adaptamos a todos os ambientes conhecidos e aprendemos a utilizar os recursos para nossa sobrevivência. Nesta caminhada, aprendemos a nos adaptar. Tentamos resolver os problemas que criamos e esta é a parte da nossa caminhada neste planeta, o único que temos. Sou Biólogo, Mestre em Planejamento e Gestão Ambiental e Especialista em Gerenciamento de Projetos e as análises que faço aqui refletem a minha visão sobre o tema, balizada em artigos científicos e informações de fonte fidedigna e relevantes. Espero que curtam os textos.
Esse post foi publicado em Economia Ecológica, gestão ambiental pública, gestão ambiental privada. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.