Parte 1 – Investimento em Capital Natural – Florestas

Segundo o relatório, três pontos principais devem ser enfatizados ao tratar as florestas sob o ponto de vista da economia verde.
1. As florestas são fundamentais para a economia verde e sustentam várias cadeias produtivas e modos de vida. Os bens e serviços providos por elas suportam 1 bilhão de pessoas. Madeira, papel e produtos das fibras são uma pequena parte do GDP global, mas os serviços ecossistêmicos tem um valor econômico ainda não calculado. São mais de 50% das espécies globais vivendo em florestas, a regulação do clima global pela estocagem de carbono em biomassa, a proteção de bacias hidrográficas. As florestas são fundamentais para a “infraestrutura ecológica” que sustenta o planeta. Isso remete aos conceitos básicos da economia ecológica, onde o planeta tem uma capacidade limitada de servir de fonte de recursos e sumidouro de emissões.
2. A gestão de florestas visando o curto prazo para ganhos exclusivamente privados pode comprometer a capacidade de gerar renda. A taxa de desflorestamento é de 13 milhões de hectares por ano, com a perda de biodiversidade e serviços ambientais associados. Apesar do plantio de 8 milhões de hectares por ano, ocorre a perda de ecossistemas únicos. Este desflorestamento é causado por maior demanda por produtos madeireiros e pressão por outros usos da terra, em particular por agricultura e criação de gado. Estima-se, por exemplo, que a manutenção das florestas por meio da redução do desflorestamento em 50% contribui para a regulação do clima global e apresenta um benefício três vezes superior ao custo de exploração.
3. As negociações internacionais e nacionais sobre o REDD (retribuição por desmatamento evitado) podem levar ao estabelecimento de um mercado para a gestão sustentável de florestas, inclusive fomentando a gestão dos serviços ecossistêmicos e os empregos gerados a partir da exploração sustentável destes ativos.

Sobre Marcio Gama

O cérebro é nossa maior especialização e nos faz humanos e complexos, capazes de pensar, gerir riscos e planejar o futuro. Nos adaptamos a todos os ambientes conhecidos e aprendemos a utilizar os recursos para nossa sobrevivência. Nesta caminhada, aprendemos a nos adaptar. Tentamos resolver os problemas que criamos e esta é a parte da nossa caminhada neste planeta, o único que temos. Sou Biólogo, Mestre em Planejamento e Gestão Ambiental e Especialista em Gerenciamento de Projetos e as análises que faço aqui refletem a minha visão sobre o tema, balizada em artigos científicos e informações de fonte fidedigna e relevantes. Espero que curtam os textos.
Esse post foi publicado em conceitos, Economia Ecológica, gestão ambiental pública, gestão ambiental privada, Relatório UNEP Towards a Green Economy. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.