Um dos tópicos mais sensíveis quando se fala de gestão ambiental é a conciliar a atividade econômica com a conservação/preservação/recuperação ambiental. Com o objetivo de mapear um dos maiores problemas ambientais a serem enfrentados pela humanidade, a publicação Scientific American publica artigos interessantíssimos sobre os oceanos e o aquecimento global na série “Oceanos, Origens, Transformações, e o Futuro”. Com o panorama traçado nas duas primeiras edições (serão quatro), é possível perceber as diversas visões sobre um mesmo assunto e a complexidade que envolve construir soluções sustentáveis para problemas globais.

Gestão refere-se à capacidade de utilizar recursos para concretizar os objetivos das instituições. Ocorre gestão no poder público, nas empresas, em organizações da sociedade civil e até em nossa própria vida pessoal. Ao referir-nos ao tema gestão ambiental, falamos diretamente à capacidade de realizar os objetivos das instituições mantendo ou melhorando as condições ambientais das quais a atividade depende.

O pressuposto básico aqui é o de que o ambiente define os limites das intervenções humanas. Não se pode indefinidamente retirar recursos do ambiente sem olhar os limites impostos pela quantidade de recursos disponíveis ou pela capacidade de assimilação de resíduos deste ambiente.

O nosso desafio num curso de gestão ambiental é esse: Identificar pontos de melhoria nos processos produtivos de uma instituição, seja ela privada ou pública, com vistas a respeitar os limites impostos pela natureza.

Sejam bem vindos a este blog.